segunda-feira, 6 de outubro de 2008

"O Principezinho" na perspectiva da Filipa...


Trofa, 3 de Outubro de 2008

Olá!


Sei que não é muito normal escrever-te uma carta, mas hoje escrevo-te para falar de “O Principezinho”, o livro que ando a ler.


Este livro fala das diferenças entre as crianças e os adultos e, após reflectir sobre isto, orgulho-me de ainda ter espírito de criança e não ter metade dos comportamentos dos adultos, pois é um pouco “chato”, pelo que estou a ver.


Ah, outra coisa: às vezes, não lhes dês ouvidos porque dizem coisas erradas e fazem-nos desistir dos nossos sonhos. Eles são tão sérios e muitas vezes só acreditam nas pessoas pela sua postura, indumentária, credibilidade… (coisas de adultos).


O livro também me fez ver que algumas coisas são como os embondeiros. Nesses casos, devemos cortar o mal pela raiz logo no início, pois, no futuro, os resultados serão melhores.

Tens de lê-lo... ensina-nos muito sobre a vida e como encará-la. Até onde li, a última conclusão que tirei é que, muitas vezes, lidamos com pessoas menos boas ou antipáticas. Elas, na verdade, são assim (às vezes) porque têm medo de se abrir com o desconhecido e, então, decidem fechar-se, isolar-se e ficar no seu cantinho, como se costuma dizer. No livro, vemos o mesmo passar-se com as rosas, que têm espinhos para se protegerem.

Lê o livro! Sei que vais adorá-lo!

Escreve-me brevemente.

Beijo da tua amiga


Filipa (9ºC)

3 comentários:

Pro. António disse...

"...orgulho-me de ainda ter espírito de criança e não ter metade dos comportamentos dos adultos..."

Espero que quando fores adulta tenhas, pelo menos, metade dos comportamentos das crianças...

Prof. Máximo Afonso disse...

Não sei o que se passa, mas fiquei com o meu monitor todo molhado...:)

Anónimo disse...

Espero que aprendas muito com este livro que estamos a dar nas aulas e que quando fores grande tenhas espirito de criança