sexta-feira, 21 de março de 2008

E porque é Dia da Árvore e Dia da Poesia...

Árvores do Alentejo

Horas mortas... curvadas aos pés do Monte
A planície é um brasido... e, torturadas,
As árvores sangrentas, revoltadas,
Gritam a Deus a bênção duma fonte!

E quando, manhã alta, o sol postonte
A oiro a giesta, a arder, pelas estradas,
Esfíngicas, recortam desgrenhadas
Os trágicos perfis no horizonte!

Árvores! Corações, almas que choram,
Almas iguais à minha, almas que imploram
Em vão remédio para tanta mágoa!

Árvores! Não choreis! Olhai e vede:
- Também ando a gritar, morta de sede,
Pedindo a Deus a minha gota de água! !

Florbela Espanca

Ser Poeta

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca

Ser Poeta - Trovante
(Ligar o som e clicar na seta à esquerda)

3 comentários:

Prof. Eleutério disse...

Mulher mal amada de nascença. Que pena a maravilhosa poesia que nos legou se basear em dor e sofrimento que foram constantes na sua vida...

Obrigado por nos trazerem aqui estes dois belos poemas e esta foto/ícone de uma das primeiras feministas do seu tempo.

Anónimo disse...

"Que pena a maravilhosa poesia que nos legou se basear em dor e sofrimento que foram constantes na sua vida..."

É verdade, colega... Mas não será a poesia, baseada na dor e no sofrimento, que mais nos toca?

Acredito que se a Florbela não tivesse sofrido toda essa dor, a sua poesia não teria brotado tão bela... tão profundamente sentida.

Prof. Eleutério disse...

Meu caro anónimo:

É absolutamente verdade o que diz.

Mas continuo a lamentar o facto de o nosso prazer se alimentar do sofrimento alheio.