quinta-feira, 30 de abril de 2009

Minha Querida Mãe...

Mãe, minha querida Mãe,
Quando me contrarias
Fico triste,
Quando me dizes não
Fico zangado,
Quando me chamas à atenção
Fico revoltado.

Mãe, minha querida mãe,
Sei que me contrarias
Para meu bem,
Sei que me dizes não
Para eu entender,
Sei que me chamas à atenção
Para eu crescer.

Mãe, minha querida mãe,
Crescer não é fácil,
Mas fica a saber
Que sempre te vou compreender
E por tudo te quero agradecer.

Alexandre, nº 1, 6º H

5 comentários:

CLUBE DAS LÍNGUAS VIVAS disse...

Bom dia, Alexandre

Tens toda a razão... as mães, quando nos chamam a atenção, é para para nos ensinarem a crescer.

E tu disseste-o de uma forma tão bonita!

A tua mãe vai adorar ler o teu poema.

Parabéns!

Cristina Bernardes disse...

Muito bonito o teu poema Alexandre... continua!

Prof. António disse...

Ao felicitar-te, Alexandre, por este teu belo poema, felicito todos os teus colegas que aqui nos têm deixado os seus contributos. E, claro, quem os motiva para esta tão nobre "função" que é a de escrever poesia.

Parabéns a todos!

Luz disse...

Alexandre
Parabéns pelo teu poema e por já seres crescido ao ponto de entender qual o papel da mãe.
Luz e meninos da Brandoa

Prof.ª Margarida Rita disse...

Parabéns, Alexandre


Tens razão, crescer não é fácil, mas se já tens essa consciência, vais de certeza ajudar a tua Mãe, quando te faz crescer.

Prof.ª Margarida Rita