quarta-feira, 2 de julho de 2008

No fundo do mar...

Fundo do mar

No fundo do mar há brancos pavores,
Onde as plantas são animais
E os animais são flores.
Mundo silencioso que não atinge
A agitação das ondas.
Abrem-se rindo conchas redondas,
Baloiça o cavalo-marinho.
Um polvo avança
No desalinho
Dos seus mil braços,
Uma flor dança,
Sem ruído vibram os espaços.
Sobre a areia o tempo poisa
Leve como um lenço.
Mas por mais bela que seja cada coisa
Tem um monstro em si suspenso.

Sophia de Mello Breyner

4 comentários:

Maria Fernanda disse...

É sempre delicioso reler Sophia.

Obrigado.

Anónimo disse...

acho que nao encontraram registos de fotos do saber q b :-(

CLUBE DAS LÍNGUAS VIVAS disse...

Boa tarde, "anónimo" :)

Já pedimos que nos fossem enviados.
Prometemos publicá-los logo que nos cheguem. :-)

Anónimo disse...

obrigada :-)