terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Retrato... O Búzio


Quando eu era pequena, passava às vezes um velho louco e vagabundo a que chamavam o Búzio. O Búzio era como um monumento manuelino: tudo nele lembrava coisas marítimas. A sua barba branca e ondulada era igual a uma onda de espuma. As grossas veias azuis das suas pernas eram iguais a cabos de navio. O seu corpo parecia um mastro e o seu andar era baloiçado como o andar de um marinheiro ou de um barco. Os seus olhos, como o próprio mar, ora eram azuis, ora eram cinzentos, ora eram verdes, e às vezes mesmo os vi roxos. E trazia sempre na mão direita duas conchas.
(...)
O Búzio aparecia ao longe. Via-se crescer dos confins dos areais e das estradas. Primeiro julgava-se que fosse uma árvore ou um penedo distante. Mas quando se aproximava via-se que era o Búzio.
(...)
O Búzio chegava de dia, rodeado de luz e de vento, e dois passos à sua frente vinha o seu cão, que era velho, esbranquiçado e sujo, com o pêlo grosso, encaracolado e comprido, e o focinho preto.
E pelas ruas vinha o Búzio com o sol na cara e as sombras trémulas das folhas dos plátanos nas mãos.
(...)

Sophia de Mello Breyner

1 comentário:

Prof. Cipriano disse...

Quando eu era pequenino deram-me um búzio, e eu em cima da mesa o "púzio".

Mentira... mas vem-me à lembrança esta cantilena de criança ao ler este magnífico excerto de um conto da sempre presente Sophia.